domingo, 1 de janeiro de 2006

Balanço de 2005

Com o termo de mais um ano, repete-se a costumeira mirada para trás a percorrer em retrospecção os últimos trezentos e sessenta e cinco dias de edições musicais. Muitos dias, muitos discos, muitas horas de audição depois, é altura de pesar méritos e insuficiências de intérpretes, de recuperar sensações produzidas pela música e encher esta folha de papel com os discos mais tocantes do ano. Escolher de um universo tão vasto de lançamentos é um exercício limitativo e, por consequência, um acto redutor e subjectivo. E dessa subjectividade, apenas dela e dos estímulos pessoais suscitados por cada um dos discos, derivaram as considerações que aqui se deixam expressas. Ao leitor, estou certo de que estas propostas interessarão como pistas, meros alvitres que levem à descoberta do desconhecido ou ao reconhecimento de reputações.

Musicalmente, o ano que agora finda foi como outros: cheio de coisas boas, algumas decepções, outras tantas revelações e muitas horas a ouvir música. A nível internacional, este foi o ano que confirmou o génio megalómano do americano Sufjan Stevens, autor de mais um capítulo da sua saga musical consagrada aos estados americanos e que, no devaneio do músico, há-de dedicar um disco a cada estado. No segundo álbum da colecção, Illinois, Stevens criou uma obra ambiciosa e ecléctica, um verdadeiro cartão de visita musical e a cuja majestade ninguém fica indiferente. Certamente, um disco omnipresente nas listas de melhores do ano. Ainda em terras do tio Sam, este foi também o ano da ambiguidade dos Animal Collective (Feels) e da pujança rock das Sleater-Kinney (The Woods). Enquanto o trio feminino de Washington prosseguiu a virtuosa rotina de escrever grandes álbuns rock, os nova-iorquinos redesenharam o seu intenso espaço de ambiguidade sonora, na verdadeira caixinha de emoções que é o seu sétimo disco. Além desses, num registo mais plácido, sobressaiu o nome de Anthony. O andrógino compositor californiano fixou definitivamente, ao segundo álbum (I Am a Bird Now), o seu espaço na cena musical norte-americana como songwriter do lado negro do amor. Ainda no capítulo das confirmações, nos E.U.A., uma referência aos discos competentes dos sublimes californianos Mars Volta (Frances The Mute), ao terror do novo trabalho do projecto Sunn O))) (Black One), à pop de casta dos The Decemberists (Picaresque), de Amos Lee ou Josh Rouse (Nashville), ao hip-hop de Edan (The Beauty and the Beat), Kanye West (Late Registration) ou Cam'ron (Purple Haze), à folk dos My Morning Jacket (Z) ou de Devendra Banhart (Cripple Crow) e às múltiplias dimensões rock dos White Stripes (Get Behind Me Satan), dos Queens of the Stone Age (Lullabies to Paralyze), dos Lightning Bolt (Hypermagic Mountain), dos Fantômas (Suspended Animation) ou dos System of a Down (Mezmerize/Hypnotize). A encabeçar a lista de debutantes para este ano na música americana, os irreverentes Clap Your Hands Say Yeah que, à custa de um disco em edição de autor e de algumas reviews favoráveis, geraram algum burburinho à sua volta e prometem agitar a cena rock nos tempos mais próximos. A par destes, embora num registo distinto, a electrónica do projecto LCD Soundsystem marcou pontos num disco de estreia convincente e que deixou água na boca. Ainda em matéria de revelações, este ano trouxe-nos, do Canadá, a estreia em disco da exuberância da pop alternativa dos Wolf Parade (Apologies to Queen Mary), da mesma Montreal que vira nascer os Arcade Fire, no ano transacto. Também do Canadá, merecem um apontamento de destaque os regressos esperados dos Broken Social Scene e dos The New Pornographers (Twin Cinema).

Fora do continente americano, num ano particularmente activo no Reino Unido, o ano ficou marcado pelo regresso em força dos escoceses Franz Ferdinand (na mesma linha do primeiro longa-duração), dos ingleses Coldplay (cada vez mais os porta-vozes primeiros da brit pop) e Depeche Mode (um regresso ao passado mais criativo) e pelas revelações dos britânicos Bloc Party, Art Brut e Kaiser Chiefs (novos mensageiros do movimento rock), da pop elaborada dos Clientelle e da electrónica surpreendente de M.I.A.. Uma nota ainda para os discos bem conseguidos de Jamie Lidell (Multiply), em convenções electrónicas precisas, dos Part Chimp (I Am Come), pela combatividade convulsiva do noise rock que defendem, dos Elbow (Leaders of the Free World) e dos Low (The Great Destroyer), pela competência e requinte, e dos Gorillaz (Demon Days), pela versatilidade da boa escrita. Pelo resto da Europa, Pascal Arbéz, sob o pseudónimo Vitalic (Ok Cowboy), e o alemão Rajko Müller (Isolée, We Are Monster), agitaram a electrónica europeia. Os suecos Opeth (Ghost Reveries) recriaram conceitos do metal escandinavo e os islandeses Sigur Rós (Takk) produziram mais uma tocante ode glacial. No resto do Mundo, os australianos Architecture in Helsinki (In Case We Die) deram-nos uma amostra do mais puro e irresistível psicadelismo electrónico, os congoleses Konono n.º 1 (Congotronics) fizeram-nos dançar ao som do likembé e a dupla invisual (do Mali) Amadou & Mariam (Dimanche à Bamako) encantou-nos com um passeio de Domingo às sonoridades africanas.

Mas 2005 foi, também, um ano marcado por alguns regressos sonantes e alguns flops. Rolling Stones, Paul McCartney, Kate Bush, Bruce Springsteen, Madonna, Vashti Bunyan, Nine Inch Nails e Sinnéad O'Connor regressaram às lides discográficas sem medo das sombras do passado e conseguiram, uns mais do que outros, não deslustrar o património que ostentam e até, em alguns casos, acrescentar novos ingredientes ao receituário costumeiro. Nas desilusões, os nomes de Moby, Tori Amos, New Order (outro regresso "histórico") e Liz Phair marcaram edições discográficas menos felizes.

No que toca à música nacional, para além da confirmação dos créditos de compositor de Francisco Silva (Old Jerusalem), do pianista Bernardo Sassetti e dos criativos Blasted Mechanism e D-Mars (sob o pseudónimo Rocky Marsiano), também dos regressos de Sara Tavares, David Fonseca e Rui Veloso, o ano foi particularmente dinâmico para as divas do fado moderno, com discos novos de Mariza, Mísia e Cristina Branco, e deram-se a conhecer em disco alguns conceitos musicais que, até aqui, estavam guardados no anonimato. Nesse grupo incluem-se o guardense Victor Afonso (Kubik), que nos proporcionou um invulgar exercício de bricolage musical, o colectivo lisboeta Ölga, os luso-canadianos Funami, o Complicado Miguel Gomes, os rappers Factor Activo, Serial, Sagas e Preto, os Loosers, os If Lucy Fell e os mirandeses Galandum Galundaina.

Foram estes os nomes que fizeram a melhor música de 2005. Para o ano há mais. Num registo para a história, aqui ficam as listas:

INTERNACIONAL
1.º Sufjan Stevens, Illinois
2.º Broken Social Scene, S/T
3.º Animal Collective, Feels
4.º Clap Your Hands Say Yeah, S/T
5.º The Mars Volta, Frances the Mute
6.º Wolf Parade, Apologies to Queen Mary
7.º Sunn O))), Black One
8.º Anthony and the Johnsons, I Am a Bird Now
9.º Sleater-Kinney, The Woods
10.º The New Pornographers, Twin Cinema

NACIONAL
1.º Kubik, Metamorphosia
2.º Complicado, Haunted
3.º Old Jerusalem, Twice the Humbling Sun
4.º Rocky Marsiano, The Pyramid Sessions
5.º Mariza, Transparente
6.º Serial, Brilhantes Diamantes
7.º Mísia, Drama Box
8.º Carlos Bica, Single
9.º Blasted Mechanism, Avatara
10.º Ölga, What Is

3 comentários:

membio disse...

é uma boa análise..., ainda não ouvi alguns da tua lista mas na minha selecção de entre os primeiros 10 vou colocar Andrew Bird e os Ladytron que se portaram tb bastante bem este ano. Em relação às desilusões colocava Goldfrapp e Royksopp. Mas resumindo penso que foi um bom ano musical para o rock.

A.C. disse...

O Andrew Bird aparece um pouquinho mais abaixo na lista; se quiseres podes consultar o top 30 no link para o BEST OF que encontras na página principal do apARTES. Em relação aos Ladytron, também concordo: lançaram um disco competente.

Sim, terá sido um ano positivo para o rock. A ver vamos se o futuro confirma algumas revelações que 2005 nos trouxe.

Um abraço

Victor Afonso disse...

Enquanto mentor do projecto KUBIK, fico muito satisfeito ao constatar o primeiro lugar do álbum "Metamorphosia" na lista dos melhores discos nacionais. Muito obrigado pelo reconhecimento e pelo apoio.

Victor Afonso
aka Kubik