sexta-feira, 30 de dezembro de 2005

quinta-feira, 29 de dezembro de 2005

Isolée - We Are Monster

Apreciação final: 8/10
Edição: Playhouse/Flur, Junho 2005
Género: IDM/Electrónica Minimalista
Sítio Oficial: www.isolee.de








O alemão Rajko Müller (aka Isolée) já tinha deixado bem claro, quando há cinco anos editou o álbum Rest, que não é homem para perder o sossego (e o norte) mesmo quando o edifício da electrónica ambientalista, como se fez tendência recente, se permite derivar para outras escolas. Para ele, o dogma de Eno continua a ser um ensinamento de utilidade quotidiana, nas métricas, na volatilidade, nos ritmos variáveis, no espaço misterioso de sons digitais. A música torna-se necessariamente um modelo de liberdade criativa, é como um estudo sem palpites formais, indiferente aos argumentos do tempo. O corpo é essencialmente instrumental mas aceita aparições esporádicas da voz, integrando-a num jogo de vectores tridimensionais donde provêm o aprumo minimalista e o charme pelo rigor. E não se trata de rigor feito de precisões, as melodias exibem-se propositadamente desarrumadas, com sons volantes guiados por um encorpado fio de prumo disco que confunde qualquer definição contemporânea de funk. Depois, Müller enfeita este jogo de partículas sintéticas com breves ornamentos orquestrais, conferindo outros pigmentos às paisagens sonoras que We Are Monster vai sugerindo na mente do auditor. Além do mais, Müller até facilita as coisas para os mais preguiçosos: as composições estão subliminarmente mais próximas de servirem no molde de canção.

We Are Monster é um daqueles discos de viciação fácil, tão imediatamente ele captura as graças do sentido auditivo e, com mais presteza ainda, reclama os serviços perceptivos do cérebro e acorda os nervos amorfos do sistema nervoso central. Trocado por miúdos, é um disco profundo que nos faz (querer) dançar mesmo que nem nos levantemos do sofá. Chamam-lhe I.D.M., música de dança inteligente, na língua lusa. Que é intuitivamente dançável, lá isso é. E se inteligência é sinónimo de super-abundância de elementos e subtileza melódica, então We Are Monster é música inteligente. Esquecendo os rótulos, é um álbum indispensável e um dos exercícios electrónicos mais inspirados de 2005.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2005

terça-feira, 27 de dezembro de 2005

Jens Lekman - Oh, You're So Silent Jens

Apreciação final: 7/10
Edição: Secretly Canadian, Novembro 2005
Género: Pop Alternativo/Lo Fi
Sítio Oficial: www.secretlycanadian.com/jenslekman








A ilustração frugal da capa do novo trabalho de Jens Lekman faz adivinhar um disco despojado, de tons minimalistas e cores pálidas. E é mesmo assim a música deste virtuoso compositor sueco. Ele já nos havia tocado com essa simplicidade emocional em When I Said I Wanted to Be Your Dog (2004) e repisa argumentos nesta nova colecção de composições que, afinal, sem o parecer, é "apenas" uma recolha de raridades (tiradas de EP's e compilações de 2003 e 2004) e B-sides. A música é leve, quase insustentavelmente leve, e respira o romantismo sem sofreguidão, por força de padrões musicais sem enfeites, plenos de bom gosto e de uma escrita serena. Já não restam dúvidas, o sueco é mesmo um dos mais inspirados cantautores do momento e, ainda que não mude consideravelmente as normas do manual crooner, experimenta outras estruturas orgânicas, introduzindo pontualmente (e com propriedade) alguns samples e vocalizações de suporte inopinadas. Tudo à prova de clichés, portanto. Seja como fôr, o jovem trovador escandinavo parece ter encontrado um farto filão criativo, num registo que tanto lembra Stephen Merritt como Morrissey (e que tal um pouquinho de Magnetic Fields?), e escreve, com igual sedução, em ângulos díspares: o rapaz está dividido entre a lágrima dos sonhos gorados e o sorriso imberbe do adolescente que descobre o amor. E em qualquer dos casos, Lekman soa sincero, profundo e irresistivelmente harmonioso. Neste disco, não há notas fora do lugar, não há excendentes.

Oh, You're So Silent Jens pode não ter a coesão de um álbum pensado como tal, mas traz um punhado de preciosidades da melhor pop romântica deste ano. Mesmo sendo um pouco previsível - é díficil não sê-lo quando se mantém a mesma toada numa alinhamento de dezasseis faixas - o trabalho destapa o mundo pesaroso de Lekman e expõe os predicados inegáveis do compositor escandinavo ao serviço de canções a milhas de rótulos. Vale a pena ouvir. Porque ser conturbado ou triste, apaixonado ou rejeitado podem ser sinónimos de melodia. E quando assim é, não há melhor do que Lekman para os passar à pauta.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2005

Konono n.º 1 - Congotronics

Apreciação final: 7/10
Edição: Crammed, Março 2005
Género: Tradicional/Tribal/Africana
Sítio Oficial: www.crammed.be/konono








Um dos mais notáveis colectivos musicais da República Democrática do Congo, os Konono n.º 1 já contam um quarto de século de existência. Oriundos da capital Kinshasa, os Konono são obreiros de um som artesanal, com raízes na cultura do likembé (instrumento rudimentar típico do Congo ao jeito de um piano de polegar com finas teclas de metal presas a uma caixa de ressonância) e que lança mão de bugigangas várias e ferro-velho para construir uma eloquente soma de sons e vibrações. Assim, o likembé é electrificado artesanalmente, restos de sucata servem de percussão e megafones amplificam as vozes em grupo. O conceito musical é inovador e compõe uma boda musical de cardápio inteiro, num tom festivo contagiante. Cerca de uma dúzia de músicos suscitam um transe festivaleiro que deriva de composições que não se regem por normas e que se orgulham da sua atipicidade, indiferentes a qualquer métrica temporal ou disciplina constrangedora. O engenho dos músicos é certificado na mistura tribal de um legado que vem de tempos longínquos com o traço de modernidade da experimentação e do improviso. A estrutura das composições é, de certa forma, aliterante como convém à boa tradição do bazombo e ao costume do trance do Golfo da Guiné e da África Ocidental. Mas essa repetição não produz tédio, antes perpetua um invento musical irresistível, simultaneamente rústico e pleno de urbanidade, uma convocação imparável para a dança em forma de celebração.

Congotronics é um circo de palhaços pobres e esboça uma linguagem musical nova em melodias simples e vocalizações de parada e resposta num clima jubiloso que nos reporta para as boulevards arborizadas de uma Kinshasa engalanada para um dia de festa. São discos como este que nos fazem saber que, algures num cantinho recôndito da vastidão do planeta, há um tesouro musical castiço ainda por achar e que há-de desatar novas aptidões e sugerir outros limites para a música. Nem que, como no caso dos brilhantes e divertidos Konono n.º 1, isso tenha que levar vinte e cinco anos. Afinal, o palhaço pobre também ri. E dança.

sábado, 24 de dezembro de 2005

sexta-feira, 23 de dezembro de 2005

Sunn O))) - Black One

Apreciação final: 8/10
Edição: Southern Records, Outubro 2005
Género: Metal Experimental/Doom Metal
Sítio Oficial: www.southern.net








O sol pôs-se ainda antes de nascer, o céu subsiste na negrura de uma longa noite que não se foi. Sente-se no ar o cheiro putrefacto do medo, dos sedimentos nas cavernas húmidas, dos dejectos de insectos disformes e devoradores de carne humana. O fôlego escapa-se na claustrofobia sufocante do vazio escuro. O chão é apenas a sombra desmedida de uma floresta negra, cansam-se os olhos na incrédula busca da ténue luz no horizonte. Escutam-se, ao longe, gritos arrepiantes de tormento e trazem consigo o silêncio cúmplice dos corvos malditos. As árvores negras dizem sarcasmos de morte e disfarçam sentenças em sorrisos cínicos; os copiosos raizeiros desprendem-se com vagar da terra, arrogam-se de serem pés e afoitam-se a intentar um passo, depois outro, ainda outro. As pernadas são agora braços e executam assustadores movimentos de equilíbrio, como se esta árvore, também aquela além, e as outras que nos miram pudessem olhar, tomassem subitamente consciência da cinemática de que sempre se acharam privadas até este instante. Perplexas, uma após a outra, as árvores de troncos e folhas negras libertam-se da terra, encaminham-se para nós, num compasso demorado e pesado. A cada passada hesitante, a terra treme e os monstros parecem maiores. Das bocas e cordas vocais imaginárias das aterradoras criaturas nascem sons penetrantes, pedaços de ruídos fragmentários que se desunem no ar e desenham um grotesco prenúncio de sangue. Elas são árvores-vampiros e, dominadas pelo feitiço de dezenas de noites, vêm roubar-nos o plasma. Têm o mesmo sonho, a utopia da juventude imortal da Condessa Bathory que, banhando-se no sangue de jovens adolescentes assassinadas, supunha preservar a mocidade. Não percebem a evidência da sua própria morte que, mesmo caminhando, a denúncia negra e podre da sua fisionomia torna irrefutável. E desaparecem, reduzem-se à pobre condição de árvore defunta; os membros devolvem-se, na mesma presteza com que se moveram, à morrediça resolução do tempo, apagando-lhes a burlesca memória de um dia terem andado como gente. Os corvos esvoaçam para longe, já lhes não cheira a iguaria. Volta a morte ao palco negro, o universo dos Sunn O))).

Black 1 é o corpo musical de um mundo assim. Guitarras pesarosas e labirintos sónicos inquietantes. O propósito essencial é a escola do doom metal ou o trejeito gótico, com uma extensa paleta de minúcias experimentalistas. Há qualquer coisa de horror nocturno, de um assombro que impele o auditor a esquadrinhar as raízes do medo abstracto, dos receios caprichosos sem destino. Num cenário de saturação deste tipo de sonoridades, os Sunn O))) descobriram a pedra filosofal que distingue a sua assinatura das demais e oferecem-nos o seu melhor trabalho. Um disco absolutamente indispensável, de proporções épicas e ritualistas e negrura perturbante e hipnótica. Porque assim são os Sunn O))). E porque o medo é um lugar estranho.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2005

Broadcast - Tender Buttons

Apreciação final: 8/10
Edição: Warp, Setembro 2005
Género: Pós-Rock/Experimental
Sítio Oficial: www.broadcast.uk.net








Não se deve despertar um sonâmbulo. Assim dispõe a sabedoria popular, não em defesa do sono mas do indivíduo que, entregue à dormência, decide caminhar, falar e dar-se às demais coisas que faria se estivera acordado. E se repentinamente um disco nos fizesse assim sonâmbulos, ou fosse ele mesmo uma obra sonâmbula, pousando-nos no sonho fascinante de uma pop fora de moda e induzindo-nos, em simultâneo, os gestos e vocábulos de uma linguagem artificial avant-gard? Deste jeito nos toma as rédeas o mais recente álbum dos britânicos Broadcast. As convenções pós-rock a que se propõem Trish Keenan e James Cargill reduzem-se a uma matéria essencial: esta música não é feita para parecer bem, nem para encaixar em moldes pomposos. Ela soa, na sua íntima substância, a qualquer coisa de fresco e moderno, mesmo que repetidas vezes se fique num minimalismo esqueletal ou até se extravie nos seus próprios enigmas. Tender Buttons é um daqueles discos simples que nos reconciliam com a electrónica espacial quase desintegrada e o mistério de uma voz hipnótica e álgida, uma espécie de Françoise Hardy sob o efeito tóxico de cogumelos. E essa voz esotérica faz-se instrumento, desenhando mímicas que robustecem as fantasias psicadélicas das composições.

Tender Buttons projecta estradas alternativas para um destino ousado: antecipar a fórmula química da pop de amanhã. Os dotes dos britânicos para a adivinhação podem ser contestados mas este futuro de sentido único está aí, ao virar da esquina; basta aceitar o feitiço de sons manipulados de Tender Buttons, perceber-lhe o convincente frasismo melódico e render-se à evidência. Com o carinhoso embalo deste disco, o pior que há-de suceder é que nos adormeça o sistema nervoso e, quando dermos por nós, estarmos caminhando durante o sono, de braços em riste, em demanda de coisa nenhuma. Falemos baixinho, não é bom acordar-se o sonâmbulo.

terça-feira, 20 de dezembro de 2005

Espers - The Weed Tree


Apreciação final: 7/10
Edição: Locust, Outubro 2005
Género: Folk Tradicional
Sítio Oficial: www.espers.org








Recentemente convertidos ao formato de sexteto, eles movem-se no ambíguo espaço da folk americana e têm uma peculiar afeição pela música tradicional, seguindo os mesmos atalhos musicais dos britânicos Pentangle, Fairport Convention ou The Incredible String Band, projectos musicais que vingaram nas décadas de 60 e 70 à custa da evocação de melodias tradicionais da cultura celta e dos protótipos musicais nativos das ilhas britânicas. Escutar este Weed Tree é perceber que estes músicos de Filadélfia deviam morar no outro lado do Atlântico, junto do imaginários das referências musicais que os inspiram. O alinhamento é composto por seis versões (duas canções tradicionais irlandesas e outros temas de Nico, Durutti Column, Michael Hurley e dos Blue Öyster Cult) e um original. O tom lamentoso é denominador comum às composições e sublinha a atmosfera melancólica do registo, na toada outonal do monólogo de um solitário. E é precisamente de solidão e de perda que se discursa em Weed Tree. Como não podia deixar de ser, os instrumentos acústicos prevalecem num tecido musical de cariz barroco, com uma profundidade vocal e um compromisso de integridade não vistos no trabalho de estreia. O som dos Espers é mais encorpado porque recolhe os alentos de mais instrumentistas de elite e conjuga fatias de beleza imaculada, num corpo de fantasia nem sempre homogéneo mas profusamente mágico.

Weed Tree é uma substância musical trovadoresca, de alma medieval, com a pureza do canto pastoral e o subliminar ânimo da cultura celta. É também um conciso retrato musicado do raizame da folk, não desvirtuando o espírito das composições originais, ainda que suscitando-lhes um desígnio mais experimental. O modus operandi dos Espers é elástico q.b. para se adaptar à diversidade das propostas originais e joga em favor da credibilidade de um colectivo prometedor. Enquanto não chega o novo trabalho de originais (previsto para o próximo ano), Weed Tree é um óptimo cartão de visita para quem não conhece o sexteto de Filadélfia e, ao mesmo tempo, aguça os apetites dos fãs.

segunda-feira, 19 de dezembro de 2005

O rei velho

Clique na imagem para ampliar

Georges Rouault, The Old King, 1937

Os estranhos

The aliens

You may not believe it
but there are people
who go through life with
very little friction of distress.
They dress well, sleep well.
they are contented with their family life.


They are undisturbed
and often feel
very good.
And when they die
it is an easy death, usually in their sleep.

You may not believe it
but such people do exist.

But i am not one of them.
oh no, I am not one of them,
I am not even near
to being one of them.
But they are there

And I am here

Charles Bukowski

sexta-feira, 16 de dezembro de 2005

Opeth - Ghost Reveries

Apreciação final: 8/10
Edição: Roadrunner/Universal, Setembro 2005
Género: Metal Progressivo/Death Metal
Sítio Oficial: www.opeth.com








Quem julga os suecos Opeth como apenas mais um ensemble da lotada cena metal da Escandinávia está a passar ao lado de uma genuína odisseia de originalidade inventiva. É certo que a figura musical dos Opeth segue o regimento do black metal do Norte Europeu mas não se fecha em tal calibre, solicita também as construções melódicas do rock progressivo e ministra-lhes a elegância de estruturas melódicas quase sinfónicas e de espaços acústicos. Aliás, esse toque acústico ganhou outras proporções nas composições e promove, em contraste com as distorções penetrantes, um jogo nebuloso de fôlegos diferentes. E o arrojo dos Opeth não se esgota aí; eles permitem-se fantasiar fórmulas em vários rumos musicais, acertando na nobreza épica desses acrescentos e desenhando labirintos que abraçam o auditor, incitando-o a desfiar uma meada imprevisível de canções. Algumas das peças deste Ghost Reveries alongam-se além dos dez minutos, como é da praxe no bom estilo progressivo e nos próprios Opeth, rompendo quaisquer fronteiras de género ou preconceito. A música dos Opeth é assim mesmo, assina um pacto sublime entre a técnica e a emoção, não teme a exposição de sentimentos - mesmo que contrastantes - e envolve-os em estruturas que têm tanto de disciplina como de desatino. Essa ambivalência é um dom reservado a músicos de eleição e é traduzida, com realismo uniforme, nas pontes entre espaços eléctricos e acústicos, ou nas variações entre o registo cavernoso e o tom suave e polido da voz de Akerfeldt.

Ghost Reveries é uma obra magna e um disco de beleza trágica e esfíngica; se tem instantes em que se revela penetrante e hostil, como um guerreiro que arremete a tudo o que mexe, noutros momentos, é serenamente contemplativo, como que ensimesmado no segredo do seu próprio isolamento. Em qualquer dos casos, destaca-se a casta das composições, plenas de recursos e alegorias e inventoras de hipnoses góticas. Tal como guiar descontroladamente um carro numa via rápida, apetece dar rédea solta a Ghost Reveries. Porque com os Opeth, além de se descobrirem sensações raras e surpresas abruptas, há sempre uma saída de emergência nas descidas íngremes. O que é o mesmo que dizer que por detrás da negrura melancólica que preenche o espaço do álbum, há muitos enigmas e refúgios para descansar o ouvido da pujança das distorções.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2005

Globos de Ouro

Foram anunciados no passado dia 12 de Dezembro os nomeados para a 63.ª edição dos Globos de Ouro, galardões atribuídos anualmente pela Hollywood Foreign Press Association e que distinguem personalidades no meio da Sétima Arte. Numa cerimónia apresentada por Kate Beckinsale, Mark Wahlberg e Steve Carrell, foi divulgada a seguinte lista de nomeações (consulte-a na íntegra aqui):

MELHOR FILME - DRAMA



BROKEBACK MOUNTAIN
Focus Features/River Road Entertainment; Focus Features

THE CONSTANT GARDENER
Potboiler Prods./Scion Films; Focus Features

GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK
Section Eight/2929 Entertainment/Participant Productions; Warner Independent Pictures

A HISTORY OF VIOLENCE
New Line Cinema; New Line Cinema

MATCH POINT
Jada Productions; DreamWorks Pictures


MELHOR ACTRIZ - DRAMA



MARIA BELLO
A HISTORY OF VIOLENCE

FELICITY HUFFMAN
TRANSAMERICA

GWYNETH PALTROW
PROOF

CHARLIZE THERON
NORTH COUNTRY

ZIYI ZHANG
MEMOIRS OF A GEISHA


MELHOR ACTOR - DRAMA



RUSSELL CROWE

CINDERELLA MAN

PHILIP SEYMOUR HOFFMAN
CAPOTE

TERRENCE HOWARD
HUSTLE & FLOW

HEATH LEDGER
BROKEBACK MOUNTAIN

DAVID STRATHAIRN
GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK

MELHOR FILME - COMÉDIA/MUSICAL



MRS. HENDERSON PRESENTS
Heyman Hoskins Prods.; The Weinstein Company

PRIDE & PREJUDICE
Working Title Prods.; Focus Features/StudioCanal

THE PRODUCERS
Brooksfilms; Universal Pictures/Columbia Pictures

THE SQUID AND THE WHALE
American Empirical/Peter Newman – Internal; Samuel Goldwyn Films/Sony Pictures Releasing International

WALK THE LINE
Twentieth Century Fox; Twentieth Century Fox


MELHOR ACTRIZ - COMÉDIA/MUSICAL



JUDI DENCH
MRS. HENDERSON PRESENTS

KEIRA KNIGHTLEY
PRIDE & PREJUDICE

LAURA LINNEY
THE SQUID AND THE WHALE

SARAH JESSICA PARKER
THE FAMILY STONE

REESE WITHERSPOON
WALK THE LINE


MELHOR ACTOR - COMÉDIA/MUSICAL



PIERCE BROSNAN
THE MATADOR

JEFF DANIELS
THE SQUID AND THE WHALE

JOHNNY DEPP
CHARLIE AND THE CHOCOLATE FACTORY

NATHAN LANE
THE PRODUCERS

CILLIAN MURPHY
BREAKFAST ON PLUTO

JOAQUIN PHOENIX
WALK THE LINE


MELHOR FILME ESTRANGEIRO




KUNG FU HUSTLE (CHINA)
Columbia Pictures Film Prod. Asia Ltd/Huayi Brothers/Taihe Film Investment Co. Ltd/Star Overseas; Sony Pictures Classics

MO GIK (MASTER OF THE CRIMSON ARMOR aka THE PROMISE) (CHINA)
Beijing 21st CenturySheng Kai/China Film Group/Capgen Investment Group/Moonstone Prods.; The Weinstein Company

JOYEUX NOEL (FRANÇA)
Nord Quest Prods. Senator Film Prods./The Bureau Artemis Prods/Media Pro Pictures/TF1 Films/Les Productions de la Gueville; Sony Pictures Classics

PARADISE NOW (PALESTINA)
Augustus Film/Lama Films/Razor Films/Lumen Films/Arte France Cinema/Hazazah Film; Warner Independent Pictures

TSOTSI (ÁFRICA DO SUL)
UK/South African Prods.; Miramax Films


MELHOR ACTRIZ SECUNDÁRIA



SCARLETT JOHANSSON
MATCH POINT

SHIRLEY MacLAINE
IN HER SHOES

FRANCES McDORMAND
NORTH COUNTRY

RACHEL WEISZ
THE CONSTANT GARDENER

MICHELLE WILLIAMS
BROKEBACK MOUNTAIN

MELHOR ACTOR SECUNDÁRIO



GEORGE CLOONEY
SYRIANA

MATT DILLON
CRASH

WILL FERRELL
THE PRODUCERS

PAUL GIAMATTI
CINDERELLA MAN

BOB HOSKINS
MRS. HENDERSON PRESENTS


MELHOR REALIZADOR



WOODY ALLEN
MATCH POINT

GEORGE CLOONEY
GOOD NIGHT, AND GOOD LUCK

PETER JACKSON
KING KONG

ANG LEE
BROKEBACK MOUNTAIN

FERNANDO MEIRELLES
THE CONSTANT GARDENER

STEVEN SPIELBERG
MUNICH

Vistos como uma antecâmara dos Óscares, os Globos de Ouro serão atribuídos no próximo dia 16 de Janeiro.