quarta-feira, 12 de janeiro de 2005

Vladimir Nabokov - Lolita

Lolita é indubitavelmente a obra mais célebre de Nabokov. É a história sobejamente conhecida da relação amorosa entre um intelectual de meia-idade e uma menina caprichosa de 12 anos. A partir desta sinopse poder-se-ia pensar que assim que se conhece o fio condutor da história esta fica desprovida de interesse. Puro engano. Ela é composta por uma riqueza narrativa inefável que não é mais do que o produto da mestria e do domínio de linguagem do escritor russo. A história, apesar de nunca evidenciar grandes reviravoltas ou uma sucessão de acontecimentos apaixonantes,
acaba por nos prender dada a inegostável panóplia de recursos que Nabokov possui. O romance centra-se na figura de Humbert Humbert, um indivíduo grotesco, abjecto e insólito e, por isso mesmo, uma das personagens mais marcantes da literatura universal. As suas idiossincrasias e os tumultos que o assolam são-nos revelados como se o próprio Humbert Humbert fosse uma personagem real e não de ficção.
A sátira aparece furtivamente ao longo desta obra mas engrandece-a. É um livro obrigatório que nos imerge na voragem das suas linhas mas que só será realmente apelativo para os que acham a leitura um acto imensamente prazente e que se deliciam ao absorver a arte da escrita subjacente neste romance.

1 comentário:

converse.doll disse...

Oish*! Sou a Bruna. Vi a mensagem no MTV Re-Action onde dizia: "...qualquer coisa... e depois http://apartes.blogspot.com...". Também enviei uma mensagem para o Re-Action. Decidi visitar o Blog e gostei, apesar do tema das Artes não ser o meu favorito. Também tenho um blog, mas se quiseres ver qualquer coisa sobre mim, prefiro que visites o site: http://www.freewebs.com/brunareis. Caso visites, não te esqueças de comentar no Guestbook sff! Fica *****. Jinhos!