domingo, 16 de janeiro de 2005

À Procura da Terra do Nunca

Apreciação final: 8/10
Edição: 2004
Género: Drama/Biografia





Quando o universo se confunde com as quimeras das crianças, fundem-se matérias de uma singela beleza, criam-se paisagens encantadoras, firmadas em simetrias de ingenuidade virgem, em busca de cenários puros, algures numa terra de nunca, liberta de adulterações. Essa foi a inspiração de James Barrie (Johnny Depp) para a construção da fábula clássica de Peter Pan. Numa fase em que estava desacreditado, só através do convívio afável com quatro adolescentes e a sua convalescente mãe, o escritor encontrou o estro para compôr a antiga peça, projectando sinais do quotidiano no texto ficcionado.

A atmosfera onírica deste filme de Mark Forster (Monster's Ball - Depois do Ódio) faz lembrar, a espaços, O Grande Peixe de Tim Burton, embora num registo substancialmente diferente, mais dirigido à fantasia genuína das crianças. À Procura da Terra do Nunca é, antes de mais, um documento cinematográfico precioso, um manifesto de remissão das utopias frustradas da infância, convertidas em defraudos da idade adulta e de como o crescimento do ser lhe retira a candidez de petiz.

Suportado por um argumento excelente (do melhor que vi nos últimos tempos) e representações soberbas (a nomeação não deve escapar a Depp e, porque não, ao jovem Freddie Highmore?), À Procura da Terra do Nunca remete-nos para o mundo de Peter Pan, da fada luminosa Sininho, de piratas, tubarões e crocodilos e, mais do que isso, leva-nos à inevitável e comovente ilação de que deixámos de ser crianças. Um filme notável e mágico que, não agradando a todos, desarma habilmente as defesas dos que assumem a criança que reside em si.

1 comentário:

Eugénio Rodrigues disse...

FINDING NEVERLAND

Há duas formas de se sentir atraído para ver este filme, uma porque tem sete nomeações e outra, porque se está de alguma forma familiarizado com a temática da obra Peter Pan e se gosta.
Seja como for, só podemos sair de uma forma deste filme, ou seja, emocionados e até um pouco chocados com os vários dramas existentes no filme e que tão bem se interligam com a história de Peter Pan.
Pois bem, não sei quantos oscares ganhará Marc Forster com este filme, mas com certeza que merecerá inteiramente cada um deles.
A exemplo de Peter Pan, este filme aborda questões tão nobres e ao mesmo tempo tão esquecidas como o são a infância. Pensamos como adultos, transformamos as crianças em adultos e deixamos que as crianças se transformem em adultos. O limiar da infância e da sua inocência que choca inevitavelmente com o momento normalmente duro e triste em que passamos a ver o mundo de outra forma. A beleza que se perde com a forma materialista de passarmos a ver o mundo, só se recupera à custa da imaginação, da capacidade de nos abstrairmos da realidade crua que nos circunda e da forma como olhamos para os pormenores da vida que nos tocam todos os momentos e que, esses sim, nos são capazes de dar a visão da alma. Viver também é fingir, é ver com outros olhos e buscar aquilo que deixamos de ver quando nos passamos a preocupar com o supérfluo. Esta realidade, para alguns, alternativa, está sempre lá, só precisamos de estar atentos aos pormenores.
J. M. Barrie, escritor dramaturgo magistralmente interpretado por J. Deep, é um homem, como a própria obra que dá origem ao filme se intitula, um "Homem que foi Peter Pan", que esteve atento aos pormenores e que ousou sê-lo. Tinha tanto de sensível como de génio e isso custou-lhe quase tudo. A História nunca muda e sempre trata mal os seus visionários. Estes foram ou serão, sempre incompreendidos.
Adjectivar este filme é muito difícil e inútil.
Chamo-vos a atenção para a sua fotografia e planos da câmara, como por exemplo, uma cena filmada do chão para o céu em que vemos J. Deep sentado debaixo de uma arvore, ou mesmo no final, quando se filma pelas costas, Peter sentado num banco de um extenso jardim.
Nota final para a interpretação de Peter, Freddie Highmore, um miúdo de tenra idade que cresceu depressa demais.
Impossível não gostar dele, impossível não nos emocionarmos quando o vemos chorar, quando vemos uma criança assim a chorar.
Realmente muito bom.
Confesso que a obra Peter Pan sempre me passou um pouco ao lado, pelo menos nos seus detalhes mais tocantes, até porque estamos mais sensibilizados para o "Principezinho" de Exupery, ou o "Alquimista", de P. Coelho.
Porém, já escolhi a minha próxima leitura.
Será Peter Pan e a sua magia.

Eugénio Rodrigues