quarta-feira, 7 de fevereiro de 2007

Bloc Party - A Weekend in the City

6/10
V2
Edel
2007
www.blocparty.com



Depois de, com o disco de estreia de há dois anos, em plena eclosão da maré cheia de novos protagonistas no rock britânico, terem suscitado uma desmedida onda de entusiasmo à sua volta, coisa em muito ajudada pela inclusão de "Banquet" numa campanha publicitária da Vodafone, chega a hora dos Bloc Party se exporem à prova do segundo álbum. E a primeira impressão que fica de A Weekend in the City é a disparidade com o antecessor. É notória a escusa do quarteto a repetir os métodos de Silent Alarm e fazem-se imediatas as evidências disso: a voz de Okereke é mais ortodoxa, apenas a espaços tenta a irreverência do debute, e as composições testam uma matriz diferente, mais experimental, com outros ingredientes sonoros (nem sempre pertinentes) e uma dimensão rítmica distinta. Tal propósito reformista seria, em teoria, o caminho para suprir alguns equívocos estruturais da música dos Bloc Party e afastá-los da moda seguidista do rock bretão recente, em busca de uma identidade própria que subliminarmente se percebia em Silent Alarm. Por ora, a construção desse novo ego, tem uma eficácia incerta: neste padrão (mais reflexivo), sem parte das substâncias fulcrais do debute e ainda um pouco às apalpadelas, os Bloc Party perderam a chispa.

4 comentários:

Paulo Floro (calvin) disse...

uma vez me disseram que o disco novo do bloc party tinha mais facetas e tal, no entanto, na primeira vez que ouvi o achei apenas chato (sobretudo com as declarações do Okereke sobre homossexualidade roubando atenção do disco), mas ando ouvindo bastante o disco sem querer, e é provavel que eu o goste muito em breve..

Kraak/Peixinho disse...

Muito sinceramente acho este novo disco dos Bloc Party bastante mediano. Entre o "Silent Alarm" e este vai uma diferença abissal (negativa), o que é pena. Safam-se alguns temas.

Abraço!

membio disse...

concordo com o kraak, apenas ouvi duas vezes e não me despertou interesse, muito como o 2º dos Kasabian. Este ano temos já uns quantos falhanços pelo caminho, sendo o dos Air e o de Alex Gopher os que eu não queria que falhassem... enfim!

M.A. disse...

Tenho para mim que os Air já falham só por ainda editarem discos. Uma das maiores "fraudes" da última década, na minha opinião.
Quanto aos Bloc Party, pelo que ouvi, não fiquei particularmente entusiasmado. Mas as expectativas também não eram muitas...