quinta-feira, 6 de julho de 2006

Peeping Tom - Peeping Tom

Apreciação final: 6/10
Edição: Ipecac/Sabotage, Maio 2006
Género: Pop Experimental/Trip-Hop/Rock
Sítio Oficial: www.ipecac.com








Há já algum tempo que o mundo melómano aguardava o anunciado projecto pop de Mike Patton. Com o lançamento retardado pelo envolvimento do músico em diversos projectos paralelos (Tomahawk e Fantômas, entre outros) e pelas dissenções com as grandes editoras, apenas agora chega aos escaparates o seu mais acessível trabalho desde os tempos dos Faith No More. A vizinhança de Peeping Tom às proporções da antiga banda de Patton é coisa intuída, sentia-se por antecipação antes de escutar o disco. Ao ouvi-lo, percebem-se essas e outras passadas. Mais do que se fechar numa redoma de facilitismo pop, Patton repesca o vulto rock dos Faith No More, variável que não se despega das composições, ainda que apenas se assome como uma sugestão da dialéctica do compositor. Traços indeléveis da cartilha rock de Patton: a dinâmica alternante das peças, a ensaiar o revezamento baixo/alto que tão bem se orquestrava nos Faith No More, as vocalizações delirantes (plagiadas por muito boa gente que por aí anda...), os refrões de veemência agreste. Depois, além de seguir o manual de instruções rock, o disco tem balanço trip-hop e alma de gueto. Se isto é pop, não é pop de rádio. Patton e convenções não rimam.

Com um extenso rol de interferências que inclui Dan the Automator e Kid Koala (parceiros de Patton no conceito Lovage), Rahzel (dos The Roots), os compinchas Anticon (Jel, Doseone e Odd Nosdam), os Massive Attack, o mago electro Amon Tobin e as menos prováveis Bebel Gilberto e Norah Jones, cada um creditado com um espaço próprio no disco, esperava-se um corpo musical menos previsível. A granel, Patton embrulha as faixas num híbrido trip-hop/rap/rock que não faz jus ao eclectismo das ajudas. A despeito de alguns instantes plenos de charme, Peeping Tom fica-se pelas promessas interrompidas sem conclusão. Faltam os pontos finais ao underground pop de Patton. Omissão natural num projecto musical que rouba o nome a um filme apologista do voyeurismo? Afinal, um voyeur genuíno é criatura bizarra que nem sequer tem namorada...

1 comentário:

membio disse...

se fosse um pouco mais arrojado era o ideal, mas contém ainda umas boas canções... tb eu esperava mais mas dava-lhe um 7...