quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Justin Timberlake - The 20/20 Complete Experience


7,4/10
20/20 Experience 1 of 2 8,3
20/20 Experience 2 of 2 6,5
RCA, 2013

Depois de um hiato temporal em que investiu essencialmente na carreira cinematográfica, o regresso discográfico de Justin Timberlake foi tão mediático quanto podia esperar-se de uma figura de proa da cena musical contemporânea, sobretudo depois do anúncio de que esse retorno assumiria a forma ambiciosa de díptico. 20/20 Experience conheceu, assim, primeiro momento em Março e é agora concluído, com o lançamento da segunda parte. Enquanto intérprete e compositor, Timberlake continua a ser um dos mais proeminentes fidalgos da pop, aqui inteligentemente a não almejar a (impossível) réplica do antecessor de há seis anos, antes procurando firmar conceitos de uma filosofia sonora muito própria e sem paralelo. A procura de espaços de convergência entre a pop, o R&B ou o hip-hop, mesclados com raro discernimento, é o pedestal da charada musical de Timberlake, novamente ajudado pelo companheiro de longa data Timbaland. É inconfundível a assinatura da alquimia de um Timbo à procura de regenerar-se, depois de uma muito desgastante omnipresença em quase tudo o que era disco. É certo que a produção pode não soar tão fresca como antes, sobretudo se (injustamente) comparada com o inovador FutureSex/LoveSounds. Mas a escrita de canções está muito acima da média que se encontra nesta família de sons, entre a veneração retro dos clássicos e a modernidade orgânica.

Com Justin Timberlake a pop não é música a  viver na ansiedade do next big hit, nem tem que ser construída nos bacocos preceitos do mainstream radiofónico/televisivo. De resto, o norte-americano manteve sempre uma inteligentíssima relação com os media, cativando-os o suficiente para ter presença assídua e o oportuno destaque da sua música, sem embarcar em qualquer forma de subserviência. 20/20 Experience é mais uma evidência dessa postura e de uma forma de consagrar a música pela música, sem concessões, com respeito pelas raízes e com uma apurada noção de fazer bem. Pena é que a segunda parte do díptico tenha ficado muito aquém da primeira, reforçando assim uma noção de superfluidade que perpassa o alinhamento da proposta mais recente. Vale a excelência do primeiro tomo.

PODE LER ESTE E OUTROS CONTEÚDOS EM WWW.ACPINTO.COM

2 comentários:

Camila disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Camila disse...
Este comentário foi removido pelo autor.