domingo, 25 de junho de 2006

Zero 7 - The Garden

Apreciação final: 7/10
Edição: Atlantic, Maio 2006
Género: Trip-Hop/Electrónica/Downbeat
Sítio Oficial: www.zero7.co.uk








Depois do anestesiante disco de estreia (Simple Things, de 2001), a dupla inglesa (Sam Hardaker e Henry Binns) ganhou o apreço da crítica especializada, atraindo para si uma posição de relevo no seio do universo da electrónica trip-hop. A hábil conjugação de um fino recorte soul com rendilhas tecidas a teclas e alguns apontamentos orquestrais de cordas definiu o protótipo de uma atmosfera sonora simples e de vibração relaxante. As inevitáveis (e gastas) comparações com os franceses Air têm reflexo na música dos Zero 7, mormente na extensão ambiental das composições, sempre certeiras a sintonizar a frequência ajustada para um determinado remate. Essa prova de precisão volta a aliar-se ao garbo no mais recente trabalho, o coeso The Garden. Dando seguimento ao predecessor (e menos inspirado) When it Falls (2004), no intento averiguador das equações pop, este álbum readquire os melhores pactos de Simple Things, embora os governe em arranjos distintos, mais próximos de algumas vagas da melancolia folk de finais da década de 60. A esse propósito, não é alheia a interferência dos traçados sem pregas do sueco José González, reconhecido artesão de folk minimalista a dois tons (voz e guitarra). A par da ajuda de González, as vocalizações macias da australiana Sia Furler - colaboradora usual dos Zero 7 - são o resto útil da orgânica de uma dúzia de canções bem estruturadas, ao jeito de éclogas da mais delicada electrónica.

A Binns e Hardaker interessa certamente desviar um pouco a música dos Zero 7 da práxis de Simple Things. Se o primeiro disco é o mais apurado depósito de aptidões da dupla e, por isso, os músicos lhe devem fidelidade nos princípios, convir-lhes-à iludir o marasmo criativo da repetição. Nota-se em The Garden que Binns e Hardaker estão num momento crítico de titubeação: ou fixam ideias na cópia dos conceitos de Simple Things, arriscando a estagnação criativa, ou tentam outras coordenadas, expondo-se às contingências da mudança de rumo. No melhor e no pior, The Garden é mais continuativo do que alterador, não faz adições substanciais ao espectro sonoro dos Zero 7. Ainda assim, o disco assinala o momento mais inteiro dos músicos desde o debute e tem o préstimo maior de guiar a memória auditiva para o imaginário de Simple Things. Só por isso, já valeria a pena escutar com toda a atenção o último trabalho de uma dupla que, mesmo sem inovar o carácter essencial da sua música, não põe pé em chão estéril.

5 comentários:

membio disse...

ah, já temos comments :) em relação ao disco ainda não tive oportunidade de ouvir mas estou curioso...

A.C. disse...

Sim, graças à tua ajuda, reparei o defeito nos comentários.

Quanto ao disco dos Zero 7, o que pode dizer-se é que não é tão bom como o Simple Things mas vale bem a pena escutá-lo.

Abraço

amazing disse...

O "Simple Things" é único. Tal como a voz de MOZES, aquele "Warm Sounds" é inesquecível.
Tiveram que substituir o vocalista, bem como tentar criar um Novo álbum.
Saíu um CD agradável de se ouvir, não mais que isso. Mas com bons temas no meio. O conjunto é que não é tão bom devido a algumas cantiguitas.
Acho que se passou o mesmo com os AIR.

A.C. disse...

Sim, concordo com a tua apreciação e com o paralelismo que traçaste em relação aos Air. De facto, a tendência deslizante parece ter afectado ambos.

Saudações musicais.

Anónimo disse...

best regards, nice info South florida rental car fiat saicento national cancer society benefits of quitting chew tipo fiat forum video surveillance signal distributors free credit report Taking ritalin while pregnant San francisco gay sauna http://www.lcd-car-audio.info/siemans-fire-alarm.html 105 mg capsules phendimetrazine