quarta-feira, 22 de março de 2006

O mito de Saturno por Goya e Rubens

Clique nas imagens para ampliar

Integrado no ciclo "Quadros Negros", catorze pinturas que Goya deixou nas paredes da sua última residência, a Quinta del Sordo, entre 1820 e 1824, esta obra (à esquerda) faz parte da fase obscura do artista e retrata o episódio da mitologia Romana em que o deus da fertilidade, Saturno, temendo que um dos seus filhos lhe viesse a tomar o trono, devora a prole. Reza a mitologia que, para proteger o sexto rebento (Jupiter), Reia (ou Cibele) o trocou por uma pedra trajada com as vestes do filho. Salvo da gula desenfreada do pai, Jupiter viria a ser figura de proa na ilha de Creta, obrigando o pai a regurgitar os irmãos e erguendo um monumento com a pedra que Saturno engulira por engano.

A crueza canibalista da imagem relega para segundo plano a contextualização mítica, centrando-se na dramatização visual da loucura e do horror do episódio de Saturno. Em alternativa, a visão menos improvisada do pintor flamengo Peter Paul Rubens (de 1686, à direita), sendo mais refinada e com uma dimensão épica acrescida, retém a crueldade sem remorso de Saturno.

1 comentário:

Pafrente maluvido disse...

Pow, Parabéns pelo blog!!!
Fiquei lendo e adorei o visual, os assuntos e dicas de cds. Temos afinidades com música indie, artes, cinema. Já incluí nos favoritos.
Ficarei feliz, se vc quiser e/ou puder visitar meu (diante do seu, hehe) humilde blog. Passa lá e vomite dua idéia: punkfloyd.zip.net.
To começando, mas tem muito q rolar.
Abraços.
Elisson

PS: Afinal, quem assina esse blog mesmo???