terça-feira, 14 de fevereiro de 2006

Tiga - Sexor

Apreciação final: 8/10
Edição: PIAS/Different, Fevereiro 2006
Género: Techno/House/Dance-Club
Sítio Oficial: www.tiga.ca








O planeta Sexor é um produto da mente do conceituado produtor e DJ canadiano Tiga. Mais do que parte integrante de uma galáxia imaginária, o primeiro disco de Tiga é um casulo de ritmos que rimam com dança; lá dentro há puro fogo de artifício das pistas de danças dos 80's, numa intoxicação melódica excitante e pejada de boas vibrações . Sexor ataca declaradamente todos os dancefloors mas fá-lo com alma e fito e com uma sensualidade que mistura matrizes techno e house. No fundo, a proposta é pop mascarada de música de discoteca (chamam-lhe electro-pop), mas a sua versatilidade deriva das feições intemporais - até chegam a sentir-se alguns mimetismos Depeche Mode ou Kraftwerk - de composições inteligentes e aprimoradas com requinte. Trocado por miúdos, Sexor tem as prováveis medidas de um clássico electro-pop que recupera a idade de ouro dos sintetizadores, acrescentando-lhes substâncias modernas. E consegue isso sem soar datado, antes produzindo ambientes sonoros frescos, muito por conta da excelência da produção, a cargo do próprio Tiga, dos irmãos Dewaele (dos projectos Soulwax e 2 Many Dj's) e do mago techno sueco, o ilustre Jesper Dahlback. A engrossar a lista de convidados célebres, Jake Shears (Scissor Sisters) empresta a voz ao single de apresentação, "You Gonna Want Me".

A reputação de Tiga antecede-o: atrás desta edição, está um arsenal de produções na área da música de dança e diversos remixes de gente conhecida (LCD Soundsystem, Felix da Housecat, Fisherspooner, Mylo e Scissor Sisters, entre outros). Com uma longa gestação de cerca de cinco anos na fase de produção, o álbum de estreia do canadiano prova as suas aptidões como compositor. É uma colecção extasiante de convites irrecusáveis para dançar e, não obstante os momentos menos felizes - que até nem são escritos por Tiga - como as covers de "Down in It" (Nine Inch Nails) e "Burnin' Down the House" (Talking Heads), o disco tem uma vitalidade incansável. Sexor é um dos momentos mais bem conseguidos da cena electro-pop dos últimos anos e não estranhará se, daqui por uns tempos, se virem uns corpos jovens e desnorteados a bambolearem-se com este som numa qualquer discoteca deste país.

4 comentários:

membio disse...

hummm, parece interessante... normalmente estes artistas tendem a enrolarem-se por hits mais ou menos espaçados sem nunca lançarem um trabalho consistente, apesar de serem altamente reconhecidos. Destes, os que gosto mais são Junior Jack, iio, Basement Jaxx, Chemical Brothers, Celeda, Tim Deluxe e Who da Funk, por exemplo...

A.C. disse...

Sim, concordo com essa análise. A regra é mesmo essa: um ou outro êxito isolado e pouca consistência. Mas, na minha opinião, este trabalho está muito bem conseguido. Veremos se, em produtos vindouros, Tiga mantém esta capacidade para cativar.

Spaceboy disse...

Gostei bastante da 1ª metade do disco, a 2ª parte achei bem inferior aos temas iniciais.

A.C. disse...

Também senti isso, aliás escrevi-o na crítica ao disco, a propósito das duas versões incluídas. Mesmo assim, considero o disco um produto de bom nível. Não tanto como o avaliaram no Blitz (9/10) mas acho que merece a nota que lhe dei.