quarta-feira, 3 de agosto de 2005

Hanne Hukkelberg - Little Things

Apreciação final: 7/10
Edição: Leaf, Junho 2005
Género: Electro-Pop/Jazz
Sítio Oficial: www.hannehukkelberg.com








Ela é norueguesa, tem vinte e seis anos e apresenta-se em disco pela primeira vez. Traz na voz um alento de candura cristalina, em intimidades quase sussurradas - algures entre uma Nina Simone, uma Cat Power, uma Björk dos dias mais calmos ou uma Stina Nordenstam - que deposita em canções cheias de carisma e personalidade. Há em Little Things uma essência encantatória a que sucumbe o ouvido mais duro, rendido à expressão delicada da pura emoção em música, numa celebração da subtileza com texturas preciosas e arranjos de eleição. A música de Hukkelberg é um mutante amparado por Calíope e que descende da electrónica, da folk, da pop e do jazz; a esses influxos, a autora junta o invulgar ajutório de um catálogo sónico que inclui banjos, harpas, clarinetes, vibrafones, tubas, oboés, xilofones, acordeões e uma miríade de sons do quotidiano, trazidos a estúdio para a construção de um mosaico lo-fi meticuloso, ordenado e a abarrotar de minudências generosas. As faculdades compositoras de Hukkelberg demarcam-se de dogmas e definem máximas próprias, evitando o atalho tentador dos refrões imediatos e desenhando um traço peculiar de eufonias desembaraçadas e sensíveis.

Little Things é uma serenata íntima, quase proibida, um afectuoso embalo, um cintilante raio luminoso...feito de pequenas coisas. Ainda que a algumas pistas falte a grandiloquência de "Little Girl", "Cast Anchor" ou "Words & A Piece of Paper", o disco de estreia de Hukkelberg não pode deixar de ser considerado um hábil exercício contorcionista com meneios eclécticos, executado sobre uma nuvem de algodão branco. Ou será um fiorde em côr de rosa?

1 comentário:

Kraak/Peixinho disse...

Hey :) Bom mesmo. Diria antes 8/10! Que tal?

Abraço